Portugal 2020

Subscreva feed Portugal 2020
Notícias
Actualizado: há 1 hora 30 minutos atrás

FEAMP apoia Portugal e Espanha no combate a derrames de petróleo com microrganismos

Sex, 24/03/2017 - 14:40

24/03/2017

O Spilless - First-line response to oil spills based on native microorganism cooperation é um novo projeto europeu, cofinanciado pelo FEAMP - Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas, que visa desenvolver serviços e produtos com valor comercial para responder a incidentes no mar provocados por derrames de petróleo.

O Spilless é liderado pelo CIIMAR - Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental da Universidade do Porto, em parceria com o  INESC TEC (U. Porto), a Universidade de Vigo, o ACSM - Colégio Americano de Medicina Desportiva em Portugal e as empresas Biotrend - Inovação e Engenharia em Biotecnologia, e MARLO, empresa luso-norueguesa de consultoria e desenvolvimento de tecnologia para logística e transportes.

O SpilLess pretende desenvolver uma solução integrada que permita responder a derrames de petróleo utilizando microrganismos nativos com capacidade para biodegradar petróleo (biorremediação) e sua incorporação em veículos autónomos não tripulados que permitam a sua aplicação nas zonas afectadas pelos incidentes de poluição.

"Esta abordagem eficiente, rápida, e de baixo custo, poderá ser usada como uma primeira linha de resposta a derrames de petróleo associados a acidentes com plataformas offshore de petróleo, navios, portos ou outros complexos industriais", refere Ana Paula Mucha do CIIMAR, líder do projeto e investigadora do CIIMAR.


Consórcios Microbianos

Será efetuada a produção em larga escala de consórcios microbianos nativos para biorremediação e de misturas de nutrientes para a sua bioestimulação (rápido crescimento), e a adaptação de veículos autónomos não tripulados (ex: drones e veículos superficiais e submarinos) para o seu transporte e libertação.

Esta tecnologia constituirá um sistema de combate aéreo, superficial e submarino, que poderá operar sob condições meteorológicas desfavoráveis e severas, com baixa intervenção humana.

Serão ainda efetuados testes de campo num cenário "quase real", com vista ao desenvolvimento de um protocolo de ação in loco para aplicação no Oceano Atlântico, sendo possível a sua transposição para outras áreas.

Prevê-se que no final do projeto estejam disponíveis diferentes produtos, tais como uma biblioteca de consórcios microbianos nativos para biorremediação, misturas de aditivos para estimular a atividade desses microrganismos, dispositivos para incorporação destes agentes em veículos aéreos, de superfície e submarinos e um protocolo integrado para aplicação desta ferramenta.

Estes produtos serão disponibilizados como uma solução do tipo "chave-na-mão" para o combate a incidentes de poluição marítima com petróleo.

O Spilless é financiado pela União Europeia através do FEAMP - Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas e terá a duração de 24 meses.

 

Fonte: EASME-UE/Agricultura e Mar Actual
 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

Fonte: DG Território

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Acelerador de Investimento PT 2020 chega a 61 municípios da região Centro

Sex, 24/03/2017 - 12:07

24/03/2017

No âmbito da Política de Cidades contemplada pelo Portugal 2020, 61 dos 100 municípios da região Centro têm já direito ao Acelerador de Investimento PT 2020, lançado em julho de 2016.

Trata-se de uma inicitiva lançada pelo Governo que pretende incentivar os municípios a anteciparem os seus projetos de investimento público.

De acordo com Ana Abrunhosa, gestora do Programa Operacional CENTRO 2020 e presidente da CCDRC - Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, "a medida do 'acelerador de investimento' teve um bom impacto na região Centro, pois levou a que 61 municípios já tenham pelo menos um projeto em execução com apoio do CENTRO 2020”.

Até final de junho de 2017, a totalidade dos municípios da Região terá condições de beneficiar desta medida jeto em execução com apoio do Centro 2020,

Na realidade, alguns municípios têm já vários projetos aprovados, mas para acederem aos benefícios da medida bastava a aprovação de, pelo menos, um dos projetos contemplados nos PEDU – Planos Estratégicos de Desenvolvimento Urbano e PARU – Planos de Ação para a Regeneração Urbana.

Acredito que, até final de junho de 2017, a totalidade dos municípios da Região terá condições de beneficiar desta medida, o que poderá implicar um reforço FEDER de, no mínimo, 20 milhões de curas para a regeneração urbana dos municípios da região”, acrescenta.

Com esta medida muitos municípios anteciparam projetos de investimento, fundamentais para dinamizarem as economias locais, em particular através das pequenas empresas, com benefícios claros para a qualidade de vida das populações locais.

 

 

Fonte: CENTRO 2020/Vida Económica

 

 

 

 


 

 

Fonte: DG Território

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Recomendado novo Fundo da União Europeia para as Pescas

Sex, 24/03/2017 - 11:21

24/03/2017

A Comissão de Pescas do Parlamento Europeu aprovou ontem um Relatório que defende a criação de um novo Fundo Europeu das Pescas especificamente direcionado para as RUP – Regiões Ultra Periféricas.

Segundo a eurodeputada madeirense Cláudia Aguiar, o fundo agora proposto é semelhante ao POSEI-Agricultura.

Cláudia Aguiar, que assumiu a liderança deste dossier, salientou que “conhecendo a realidade da pesca na RAM, em particular as dificuldades dos pescadores ultraperiféricos, no geral, não poderíamos deixar de querer a criação de um fundo específico para as Pescas nas RUP”.

"Este instrumento é fundamental para alavancar o desenvolvimento do sector piscatório nas Regiões Ultraperiféricas e deverá contribuir decisivamente para melhorar as condições económicas e sociais daqueles que dependem do sector", sublinha a eurodeputada.

O Relatório, que esteve envolto em polémica no Parlamento Europeu desde o início do processo, sofreu alterações significativas antes da sua aprovação em Comissão, e envolveu negociações entre os eurodeputados das Regiões Ultraperiféricas.

Cláudia Aguiar destacou algumas das matérias relacionadas com a atividade piscatória e que exigem a atenção do Parlamento Europeu, nomeadamente as quotas de pesca, as ações de formação destinadas a sensibilizar e atrair os mais jovens e a aposta na aquacultura enquanto actividade geradora de riqueza e de emprego.

O Relatório intitulado "A gestão das frotas de pescas nas Regiões Ultraperiféricas" foi aprovado com 18 votos a favor, 2 votos contra e 6 abstenções, seguindo-se agora a discussão e votação no Plenário do Parlamento Europeu, em Abril.

 

 

Fonte: JM/Jornal Económico

 


 

 

Fonte: DG Território

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Seminário PNPOT sobre Território e Prospetiva

Qui, 23/03/2017 - 15:50

23/03/2017

No âmbito do processo de alteração do PNPOT - Programa Nacional da Política de Ordenamento do Território, a Direção-Geral do Território realiza o Seminário TERRITÓRIO E PROSPETIVA, que terá lugar no próximo dia 5 de abril, quarta-feira, entre as 9h30 e as 18h30, no Auditório da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

O encontro visa colocar a debate temas que se oferecem como determinantes nas próximas décadas: a Demografia, a Economia, as Alterações Climáticas e o recurso Água, procurando ainda fazer uma reflexão abrangente sobre o passado e a construção do futuro do desenvolvimento territorial e sobre o papel do PNPOT nessa construção.

Esta iniciativa contará com a presença da Secretária de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, Célia Ramos e o Ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes.

 

O Seminário TERRITÓRIO E PROSPETIVA é de entrada livre, ainda que sujeita a inscrição prévia e à capacidade do Auditório.

 

INSCRIÇÃO  |  PROGRAMA

 

Fonte: DG Território

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

COMPETE 2020 volta a apoiar a moda portuguesa com o Portugal Fashion

Qui, 23/03/2017 - 11:59

23/03/2017

Entre 2015 e 2017, o certame Portugal Fashion já recebeu oito milhões de euros do COMPETE 2020 – Programa Operacional Competitividade e Internacionalização, para alavancar um investimento de 15,97 milhões de euros.

De 22 a 25 de março, os modelos desfilam, um após o outro, sob as luzes fortes da passerelle traduzindo meses de trabalho que culminam neste ponto alto. O Portugal Fashion arrancou esta 40ª edição com a coleção outono/inverno de mulher, do designer Pedro Pedro.

Além dos desfiles, há todo um trabalho posterior necessário ao sucesso comercial das marcas e é aqui que os Fundos da União Europeia desempenham um papel fundamental.

Um investimento que não é, na sua totalidade, elegível para obter financiamento comunitário (só 9,41 milhões são passíveis de obter apoios do Portugal 2020).

Segundo o presidente da ANJE – Associação Nacional de Jovens Empresários, Adelino Costa Matos, "o Portugal Fashion é um bom exemplo de retorno e reprodutividade dos incentivos à economia". "O investimento comunitário no Portugal Fashion é inteiramente justificado pelos resultados e pela missão ímpar deste projeto", disse o responsável em declarações ao ECO.

Costa Matos considera que "com o apoio do evento, indústria e criadores evoluíram no sentido de uma aposta nos fatores críticos de competitividade, como a qualidade, a inovação, o design, a distribuição, entre outros". E exemplifica: "Para se ter uma ideia, os criadores e marcas que habitualmente participam no Portugal Fashion representam uma faturação anual de cerca de 500 milhões de euros, montante que resulta em 65 a 70% de exportações. Refira-se ainda que estes criadores e marcas empregam cerca de 15 mil trabalhadores, para além dos postos de trabalho indiretos que ajudam a criar".

No âmbito da Internacionalização, os responsáveis pelo Portugal Fashion querem que este "seja um veículo de promoção das grandes potencialidades e fatores diferenciadores do país". Ou seja, pretendem reforçar a associação do evento ao made in Portugal, recorrendo à sua notabilidade institucional e à sua capacidade comunicacional para promover o que de melhor é feito no nosso país.

 

 

Fonte: ECO/Compete2020

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Emprego na Região Norte com maior crescimento dos últimos 15 anos

Qui, 23/03/2017 - 11:13

23/03/2017

O crescimento do Emprego na Região do Norte voltou a acelerar no 4º trimestre de 2016, revela o último relatório trimestral “NORTE Conjuntura”, uma edição da CCDR-N – Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte.

O registo de cerca de mais 35 mil pessoas empregadas permitiu o mais acentuado crescimento do emprego nos últimos 15 anos em termos homólogos, dados que se destacam no último relatório trimestral que identifica as tendências da evolução económica, a curto prazo, no território, bem como a aplicação dos fundos da União Europeia. 

Por outro lado, a taxa de desemprego voltou a descer, fixando-se nos 11,5 por cento, o valor mais baixo desde 2009.

De acordo com o documento, o ramo de atividade que, em termos homólogos, mais impulsionou o crescimento do emprego na Região do Norte foram as atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares, com mais 18 mil empregados do que um ano antes.

Destaque também para o ramo do alojamento, restauração e similares, que somou mais cerca de 17 mil empregados.

Lançado em 2006, o “NORTE Conjuntura” é publicado trimestralmente e inclui uma análise de outros temas como o consumo privado, o investimento, a procura externa, a indústria, o turismo, os preços no consumo, o crédito e a aplicação dos fundos da União Europeia. 


Consulte AQUI:

| NORTE Conjuntura - 4.º trimestre 2016

 

Fonte: CCDR-N

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fundo Social Europeu celebra 60 anos a Investir nas Pessoas

Qua, 22/03/2017 - 17:23

22/03/2017

Assinala-se em 2017 o 60.º aniversário do FSE - Fundo Social Europeu, o instrumento mais antigo de que a Europa dispõe para investir nas pessoas.

O FSE é hoje um motor potente da criação de emprego, porque, ao promover a melhoria da educação, a modernização das administrações públicas e mais inclusão social, constitui uma ferramenta imprescindível para garantir mais oportunidades a todos os cidadãos.

Nos últimos 60 anos, o Fundo Social Europeu ajudou milhões de europeus a encontrar emprego, obter uma qualificação ou certificado e aumentar o seu nível de competências. Estes frutos foram obtidos graças a vários milhares de projetos levados a cabo em toda a Europa.

Os exemplos incluem projetos com os seguintes objetivos:

  • Integração das Pessoas no Mercado de Trabalho: em Espanha, a Caritas tem estado a trabalhar com o FSE para ajudar mais de um milhão de pessoas a melhorar as suas possibilidades de encontrar emprego. Tal inclui o apoio na procura de emprego, estágios em empresas, ou a criação de emprego através de empresas sociais. Muitas destas iniciativas centram-se em grupos com dificuldades especiais, nomeadamente imigrantes, mulheres desfavorecidas, jovens menos qualificados e desempregados com mais de 45 anos.
     
  • Melhoria dos Resultados Escolares: o projeto Diritti a Scuola, em Itália, chegou a mais de 200 000 crianças e teve efeitos positivos na sua escolaridade. Num esforço conjunto com os estabelecimentos de ensino, professores, pais e alunos, melhoraram-se os programas e os métodos de ensino e prestou-se aconselhamento individual aos jovens e às respetivas famílias. Assim, a taxa de abandono escolar na Apúlia diminuiu de 30,3 % em 2004 para 19,5 % em 2011.
     
  • Promoção da Inclusão Social: a Academia de Desenvolvimento da Economia Social, na região de Małopolskie criou uma economia social florescente em prol de muitos dos seus cidadãos mais desfavorecidos. O projeto presta aconselhamento jurídico e empresarial e apoia financeiramente o arranque de empresas sociais. São mais de 1 700 aqueles que já beneficiaram das atividades do projeto, juntamente com 245 organizações da economia social e 126 parceiros locais.

No período de 2014-2020, o Fundo apoiou já milhões de pessoas, e continuará a fazê-lo, graças a investimentos previstos no orçamento da União Europeia no valor de 86,4 mil milhões de euros. Neste período de programação, o FSE centra-se num número limitado de prioridades com o objetivo de garantir o máximo impacto, com destaque para o Emprego e a Inserção Social.

A Plataforma de Dados Abertos em linha, que permite aceder aos dados sobre os resultados obtidos no âmbito dos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento para o período de 2014-2020, revela que os projetos FSE estão a fazer progressos significativos: mais de 30 % dos projetos foram já selecionados para financiamento. Os projetos no âmbito da Iniciativa para o Emprego dos Jovens apontam mesmo uma taxa de execução de 60 %.

As comemorações dos resultados do Fundo e os debates sobre o futuro do financiamento do capital humano na Europa terão início amanhã com a Conferência «Fundo Social Europeu: passado, presente e futuro», organizada pela Presidência maltesa da União Europeia.

A Conferência ocorrerá antes das celebrações do 60.º aniversário dos Tratados de Roma e da reunião informal com os parceiros sociais da UE, em Roma, que contará com a presença do Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, do Vice-Presidente Valdis Dombrovskis e da Comissária Marianne Thyssen.

Durante o ano, os Estados-Membros vão organizar eventos e debates análogos dedicados à retrospetiva das realizações do FSE, à avaliação do desempenho deste Fundo e à defesa de um forte investimento em capital humano no futuro.

Em maio, milhares de projetos financiados pela UE abrirão as suas portas ao público no âmbito da campanha «A Europa na minha região».

 

Fonte: RAPID-CE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

CRESCAlgarve 2020 presente na MarAlgarve'2017

Qua, 22/03/2017 - 16:55

22/03/2017

A CCDR Algarve - Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve, vai estar presente na MarAlgarve – Feira do Mar’2017, que decorre de 23 a 25 de março, no Portimão Arena, com o objetivo de promover as potencialidades do setor do mar nas dimensões económica, cultural, educativa, desportiva e turística, bem como os apoios de financiamento do Programa Operacional Regional CRESCAlgarve 2020.

Neste contexto, no primeiro dia do evento, pelas 15 horas, a CCDR-Algarve dinamiza um seminário sobre a Estratégia de Especialização Inteligente Regional do Algarve (RIS3 Algarve) e o Mar.

Neste encontro serão abordadas as temáticas da investigação e da inovação empresarial, com a participação dos centros de Investigação Marinha e Ambiental (CIMA) e de Ciências do Mar (CCMAR), ambos da Universidade do Algarve, e das empresas Conserveira Saboreal, Sea4us e Sunconcept, as quais atuam nos diferentes domínios de especialização regional e exploram oportunidades nas áreas ambiental, energética, alimentar, turística, da saúde e outras.

Este seminário integra um conjunto de certames e encontros temáticos para dar a conhecer o trabalho desenvolvido pelos diversos parceiros, por forma a garantir a partilha de boas práticas, favorecer o empreendedorismo e dinamizar os processos de transferência de conhecimento entre os centros de investigação das universidades e o tecido empresarial da região, potenciando os apoios e comparticipações assegurados através do CRESCAlgarve 2020 e colaborando ativamente na identificação de constrangimentos e soluções para a sua resolução.

A Economia do Mar, tal como o Turismo, constituem as principais áreas de intervenção da RIS3 Algarve, sendo alvo de especial atenção do Conselho Regional de Inovação do Algarve (CIRA), órgão consultivo da RIS3, presidido pela CCDR-Algarve, que vem acompanhando os processos de operacionalização da Algarve Smart Region, nomeadamente nas temáticas de Cidades Inteligentes, Destino Turístico Inteligente ou Redes Inteligentes de Energia, bem como das políticas transversais relacionadas com a Economia do Mar.

 

 

Fonte: Gab.Comunicação CCDR Algarve

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Candidaturas abertas a 'Capacitação para o Investimento Social' da Portugal Inovação Social

Ter, 21/03/2017 - 15:27

21/03/2017

Estão abertas, de 21 de março a 19 de junho, as candidaturas ao instrumento de financiamento ‘Capacitação para o Investimento Social’ da Iniciativa Portugal Inovação Social, com financiamento do PO ISE - Programa Operacional Inclusão Social e Emprego.

Este instrumento de financiamento apoia Iniciativas de Inovação e Empreendedorismo Social (IIES) no reforço das suas capacidades organizativas e competências de gestão, com o objetivo de as tornar mais preparadas para gerar impacto social e captar investimento social.

Dá resposta às necessidades de capacitação específicas de cada IIES, através da atribuição de um montante fixo não reembolsável (até um valor máximo de 50.000€) para o financiamento do seu Plano de Capacitação, cuja implementação deverá ter uma duração máxima de 18 meses.

Podem candidatar-se entidades do âmbito da economia social promotoras de IIES. As intervenções de capacitação previstas no Plano de Capacitação proposto deverão ocorrer nas regiões do Norte, Centro ou Alentejo.

O Aviso POISE-39-2017-03 e respetivo formulário online de candidatura estão disponíveis no Balcão 2020.

São disponibilizados na página Capacitação para o Investimento Social da Portugal Inovação Social os templates dos restantes documentos necessários à submissão de candidaturas, bem como um Guia de Apoio à elaboração de Candidaturas e um documento de Perguntas Frequentes.

Note-se que a submissão da candidatura deverá ser precedida do registo online das entidades candidatas no Balcão 2020.

 

 

 

Fonte: EMPIS/AD&C

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

AD&C promove Seminário Internacional sobre "Convergência Económica e Políticas de Desenvolvimento Regional"

Ter, 21/03/2017 - 12:13

21/03/2017

A AD&C - Agência para o Desenvolvimento e Coesão promove o seminário internacional "Convergência Económica e Políticas de Desenvolvimento Regional", no dia 3 de abril, que tem lugar na Fundação de Serralves no Porto.

O seminário, com a presença de peritos nacionais e internacionais, tem por objetivo refletir sobre os processos de convergência económica regional em Portugal e noutros países e sobre o papel das políticas de desenvolvimento regional.

O evento conta com um painel dedicado à "Convergência Económica Regional: evidências e percursos" e com uma mesa redonda subordinada ao tema das "Políticas de Desenvolvimento Regional: das lições aos desafios futuros".

Estes debates contam com a participação de vários especialistas nacionais e internacionais, membros da Comissão Europeia e da OCDE, professores universitários de Lisboa e Glasgow, bem como dirigentes de vários organismos públicos, nacionais e internacionais na Polónia, Eslovénia e Áustria.

O seminário contará ainda com a presença do Secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson de Souza e da Secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Margarida Marques.

Consulte o PROGRAMA do evento e efetue aqui a sua INSCRIÇÃO.

 

Para mais informações contactar:

E-mail: claudia.costa@adcoesao.pt | Tel: +351 218 814 000

 

 

Fonte: AD&C/NCD

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

BioMimetx conquista financiamento de 1,39 milhões de euros do Horizonte 2020

Ter, 21/03/2017 - 11:21

20/03/2017

A BioMimetx conquistou um financiamento de 1,39 milhões de euros no âmbito do instrumento Pequenas e Médias Empresas do Programa-Quadro Horizonte 2020 para continuar o seu Projeto BMX-11, um aditivo para tintas marítimas contra a incrustação de organismos em superfícies na água.

A Biomimetx, SA, de Cantanhede foi uma das três empresas inovadoras contempladas com o apoio do Instrumento PME do Programa de Investigação Horizonte 2020, que contemplou mais 71 PME de 22 países, entre os quais Portugal com três PME nacionais.

Nesta fase do Instrumento PME, cada projeto pode receber até 2,5 milhões de euros (5 milhões para projetos no domínio da saúde) para financiar atividades de inovação como a demonstração, o ensaio, a fase-piloto, a fase de expansão e a miniaturização, para além de desenvolver um plano de negócios sólido.

Para a Biomimetx, este valor será uma comparticipação num investimento total de 2 milhões de euros e é atribuído no contexto da Fase 2 da candidatura submetida pela empresa, correspondente à fase de Desenvolvimento de Produto.

A empresa recebeu ainda, pela quinta vez, o Selo de Excelência, que é um rótulo de qualidade atribuído pela União Europeia (UE) “a projetos promissores apresentados no âmbito do Programa-Quadro Horizonte 2020, que não podiam garantir o financiamento devido a limitações orçamentais”, mas que estavam bem classificados na avaliação independente feita anualmente pelas instituições europeias, conforme esclarecia a Comissão Europeia em 2015.

Recorde-se que na Fase 1, a empresa captou 50 mil euros de financiamento no âmbito deste mecanismo, além de 1,6 milhões de euros captados em mecanismos de capital de risco (Caixa Capital, 800 mil euros, Inter Capital, 300 mil euros, e Teak Capital, 500 mil euros).

Conforme nota a Comissão Europeia, na base deste projeto está a descoberta de uma “bactéria única que excreta elevados níveis de moléculas que podem ser utilizadas como antimicrobianos e algicidas naturais através de um processo otimizado de fermentação que a empresa patenteou” e que pode ser útil em tintas anti incrustantes utilizadas em embarcações.

 

Fonte: PT 2020/APP online

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

PO SEUR aprova candidatura de abastecimento de água a Merufe

Seg, 20/03/2017 - 11:45

20/03/2017

O PO SEUR - Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, aprovou a candidatura de Abastecimento de Água à freguesia de Merufe, que vai beneficiar cerca de 790 habitantes desta freguesia de Vale do Mouro, na região Norte.

O presente investimento consiste na construção de infraestruturas como rede de distribuição, estações e condutas elevatórias e reservatório em Santo André, chegando a aproximadamente 790 habitantes daquela freguesia do Vale do Mouro.

Apresentada pela Câmara Municipal de Monção, esta candidatura tem um investimento ilegível de 944.546,67 EUR, sendo a taxa de comparticipação comunitária de 85%.

Com esta empreitada, o concelho de Monção fica coberto em termos de abastecimento de água. Motivo de grande satisfação para a autarquia que aponta novo objetivo: "Com o ciclo da água fechado, viramo-nos para o saneamento básico. Há trabalho feito mas muito ainda por fazer".

A presente operação consiste na construção de infraestruturas como rede de dstribuição, estações e condutas elevatórias e novo reservatório em Santo André, abrangendo os lugares de Mosteiro, Palhares, Pica, Senra, Pretos, Salgueiro, Pias, Pereiras, Santo André, Azevedo, Campo Longo, Parada, Fundevila, Ribeiro, Carvalhas, Paço do Quinteiro e Real.

Os lugares abrangidos nesta candidatura correspondem à zona baixa de Merufe que ainda não se encontra servida pela rede de abastecimento de água ao domicílio, chegando a aproximadamente 790 habitantes daquela freguesia do Vale do Mouro através de duas redes de distribuição com reservatórios em Merim e Santo André.

O reservatório de Merim, já existente, vai abastecer as populações dos lugares de Mosteiro, Palhares, Pica, Senra, Pretos, Salgueiro, Pias e Pereiras numa extensão total de 14,199 metros, fornecendo água, através de condutas adutoras a construir, ao futuro reservatório de Santo André.

Este servirá diretamente os lugares de Santo André, Azevedo, Campo Longo, Parada, Fundevila, Ribeiro, Carvalhas, Paço do Quinteiro e Real ao longo de uma rede com a extensão de 18.380 metros. As condutas adutoras serão instaladas sob caminhos e estradas existentes, partilhando em grande parte do trajeto da mesma vala que as redes de distribuição.

 

 

Fonte: Minho Digital/PO SEUR

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nova iniciativa da DG REGIO para jovens no âmbito da Cooperação Territorial Europeia

Sex, 17/03/2017 - 16:10

17/03/2017

A DG REGIO - Política Regional da União Europeia (UE) lançou, dia 1 de março, a Iniciativa IVY - Interreg Volunteer Youth, que oferece a possibilidade aos jovens europeus com idades compreendidas entre os 18 e os 30 anos de serem voluntários em Programas de Cooperação Territorial Europeia Transfronteiriços, Transnacionais ou Inter-regionais e em projetos relacionados.

A iniciativa destina-se a envolver jovens voluntários europeus para apoiar, promover e comunicar as realizações concretas destes programas e projetos, bem como promover, em geral, a cooperação transfronteiriça e valores conexos como a solidariedade.

A IVY dará aos voluntários a oportunidade de se familiarizarem com os Programas e Projetos Interreg, sensibilizá-los para os muitos benefícios da colaboração entre as fronteiras internas da UE e reforçar o seu sentido de solidariedade, cidadania e envolvimento cívico europeu.

A IVY é estruturada em torno de duas vertentes principais:

1. Os Parceiros do Projeto Interreg, que contribuirão para a execução do projeto, concentrando-se em aspetos específicos ou dificuldades a resolver em domínios como os projetos de solidariedade, de pessoas a pessoas, de saúde, comunitários e os projetos de dimensão social Interreg. O parceiro do projeto Interreg será, por conseguinte, implementado no território de um dos beneficiários do projeto Interreg;

2. Os Interreg Reporters, que contribuirão para a divulgação de informações sobre os benefícios da integração territorial no terreno, através do relato de projetos Interreg bem sucedidos. O Interreg Reporter será, por conseguinte, implementado nos escritórios das Autoridades de Gestão Interreg e/ou nos Secretariados Conjuntos Interreg.

Apoio e visibilidade através do voluntariado são o grande objetivo desta iniciativa.

A IVY é uma ação-piloto de um ano, que teve início em 1 de Março de 2017, sendo gerida pela AEBR - Associação das Regiões Fronteiriças Europeias.

 

 

Fonte: DG Regional and Urban Policy

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Campanha #investEU sobre investimentos europeus e os seus benefícios para os cidadãos

Sex, 17/03/2017 - 11:49

17/03/2017

A Comissão Europeia vai lançar uma campanha de comunicação pública nos Estados Membros, numa tentativa de repor o reconhecimento da efetiva contribuição da União Europeia para melhoria da qualidade de vida dos cidadãos europeus. 

Com a denominação de #investEU, esta campanha arrancará, simultaneamente, em todos os Estados Membros e procurará alcançar três grandes objetivos:

 

| Chamar a atenção da opinião pública para os investimentos europeus

| Divulgar o papel da UE no crescimento do país e na criação de emprego

   | Aumentar a confiança na própria Comissão Europeia

 

Coube à empresa Hill & Knowlton, o planeamento, gestão e execução desta campanha sendo que a Representação da Comissão Europeia em Portugal está, nesta primeira fase, a contactar várias entidades no sentido de identificar parcerias, sinergias e protagonistas para a #investEU.

A CE pede assim aos Estados Membros a identificação de projetos que tenham recebido financiamento nos últimos anos, que representem real impacto em qualquer região do País e que tenham potencial de comunicação atrativos para os media, pelo número de empregos, inovação e tecnologia relevante, histórias de vida interessantes, entre outros.

 

 

Fonte: Representação CE Portugal

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

PO ISE lança concurso no âmbito dos Estágios PEPAC - Missões

Qui, 16/03/2017 - 11:23

16/03/2017

O PO ISE – Programa Operacional Inclusão Social e Emprego, lançou um novo concurso relativo a ‘Estágios PEPAC – Missões Abertas’, cujo período de apresentação de candidaturas decorre de 14 de março até ao dia 18 de abril de 2017.

Este concurso com a ‘Tipologia de Operação 2.06: Estágios PEPAC – Missões’, tem como objetivos apoiar a formação de jovens com qualificação superior em contexto real de trabalho em ambiente internacional, nas principais áreas de atuação da política externa portu­guesa, com especial incidência na diplomacia económica, na diplomacia política e no apoio consular.

Pretende também facilitar a inserção de jovens quadros no mercado de trabalho em áreas potenciado­ras de processos de mudança e desenvolvimento organizacional, designadamente em empresas com potencial de internacionalização em mercados prioritários para Portu­gal e em setores de chave de atividade.

Consulte o AVISO publicado no website do PO ISE em Avisos Abertos ou no Balcão 2020 | Domínio Temático – INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO.

 

 

 

Fonte: AG PO ISE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Projeto do Museu da Baleia da Madeira tem apoio do Programa INTERREG MAC 2014-2020

Qua, 15/03/2017 - 11:58

15/03/2017

O Museu da Baleia da Madeira viu o seu projeto ser aprovado no âmbito do MARCET, cofinanciado pelo Programa de Cooperação INTERREG MAC 2014-2020 Madeira-Açores-Canárias 2014-2020.

Desta forma, o Museu da Baleia da Madeira estará envolvido em atividades especificas do referido projeto MARCET, como harmonizar boas práticas na vigilância sanitária (estado de saúde e epidemias) das populações de cetáceos, através da coordenação das boas práticas e procedimentos das redes de arrojamentos dos arquipélagos Macaronésios, bem como capacitação dos recursos humanos envolvidos.

Na prática, aquele museu, dependente da Câmara Municipal de Machico, vai receber uma verba para este projeto específico na ordem dos 92 mil euros, para dar continuidade ao trabalho que tem sido feito naquele centro de investigação.

O projeto MARCET transfere e difunde ciência e tecnologia de ponta para promover o crescimento e o desenvolvimento sustentável do turismo, direta e indiretamente relacionado com a observação de cetáceos, através da criação de novos produtos e serviços eco inovadores. Em particular, centros especializados de monitoramento e rastreamento da saúde dos cetáceos e oceanografia operacional serão reunidos de toda a região da Macaronésia para integrar, harmonizar e otimizar o conhecimento, as infraestruturas e as melhores práticas na região.

Também vai ser realizada uma experiência piloto de monitorização de populações in vivo através da colocação de transmissores de satélite em Baleias de Bryde para compreender o seu comportamento geral (migrações e movimentos) e relacionar com parâmetros oceanográficos.

O objetivo geral deste projeto é transferir ciência e tecnologia de vanguarda na vigilância sanitáriados cetáceos e oceanografia operacional, para harmonizar conhecimentos, infraestruturas e boas práticas, e demonstrar, com produtos inovadores, o desenvolvimento sustentável da atividade empresarial associada.

 

Fonte: DNMadeira/MERCET/MAC2014-2020

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cantábria adere à Macro Região RESOE pioneira na Cooperação Territorial Europeia

Ter, 14/03/2017 - 14:57

14/03/2017

A Macro Região do Sudoeste Europeu – RESOE, constituída em 2010 com objetivos de promoção de iniciativas de Cooperação Transfronteiriça, contará com a adesão da região espanhola, a Cantábria.

A integração formal do novo membro decorre numa cerimónia que se realiza hoje, 14 de março, no Campus da Universidade de Vigo.

Inicialmente constituída pelo Norte de Portugal e as regiões espanholas da Galiza e de Castela e Leão, a RESOE conheceu o primeiro alargamento em 2014 com a entrada das regiões do Centro e das Astúrias.

Esta Macro Região, pioneira no contexto da Cooperação Territorial Europeia, representa agora cerca de um terço da área da Península Ibérica, num território que abrange 189.000 km2, e tem 12,7 milhões de habitantes (22,3 por cento do total peninsular).

Assumindo a aposta na Cooperação Territorial Europeia para o período 2014-2020, e tirando maior proveito de iniciativas inter-regionais, as grandes prioridades de trabalho da RESOE são os Transportes, a competitividade Industrial, o Turismo, a Demografia, a Cultura e a investigação e excelência no Ensino Superior.

 

 

Fonte: NORTE 2020

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

PO ISE lança novo concurso no âmbito da Capacitação para a Inclusão

Ter, 14/03/2017 - 11:48

14/03/2017

A Autoridade de Gestão do PO ISE – Programa Operacional da Inclusão Social e Emprego, informa que foi lançado um novo concurso no âmbito da Tipologia de Operação 3.05- Capacitação para a Inclusão.

Assim, e de acordo com o AVISO N.º POISE-30-2017-01 o período para a apresentação de candidaturas decorre entre 13 de março e as 18:00horas do dia 19 de abril de 2017.

 

Consulte o AVISO publicado no website do PO ISE em Avisos Abertos ou no Balcão 2020 | Domínio Temático – INCLUSÃO SOCIAL E EMPREGO.

 

 

Fonte: AG PO ISE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sessão de lançamento do Investimento nas Economias Locais e Emprego

Ter, 14/03/2017 - 10:28

14/03/2017

O Governo lança hoje, na CCDR Alentejo, novas medidas de apoio para o Investimento nas Economias Locais para a Coesão Territorial e o Emprego que vão permitir às micro e pequenas empresas do interior ter acesso a Fundos da União Europeia para investimento.

O novo SI2E – Sistema de Incentivos ao Empreendedorismo e ao Emprego permitirá, inclusivamente, a criação do próprio emprego, já que uma das prioridades assumidas é o combate ao desemprego, materializada na elegibilidade da remuneração dos postos de trabalho criados preenchidos por desempregados inscritos no Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P.

 


Nesta sessão de lançamento serão apresentados: os objetivos dos novos apoios, quem pode candidatar-se, que projetos são elegíveis e como se irá desenrolar o procedimento, nomeadamente publicação de legislação aplicável e abertura de candidaturas.

Consulte aqui o PROGRAMA.


MAIS INVESTIMENTO NAS ECONOMIAS LOCAIS

O SI2E pretende, sobretudo, complementar os resultados obtidos no apoio ao investimento empresarial, com uma atenção especial a projetos empresariais localizados em territórios de baixa densidade, que estimulem o surgimento de pequenos negócios e a concretização de oportunidades de criação de valor ancoradas nos recursos e ativos endógenos.

Pela natureza dos objetivos que prossegue, o SI2E ganhará eficácia acrescida se for aplicado de forma mais ajustada e próxima dos territórios em que quer promover o investimento empresarial.

O SI2E será gerido em grande medida pelos Grupos de Ação Local (GAL), quando os incentivos resultarem de estratégias de Desenvolvimento Local de Base Comunitária (DLBC), ou Comunidades Intermunicipais (CIM) e Áreas Metropolitanas (AM), quando os mesmos decorrerem da concretização dos Pactos para o Desenvolvimento e Coesão Territorial.

Não se aplicando exclusivamente aos territórios de baixa densidade, o SI2E favorece através de majorações específicas os investimentos nelas realizados e sobretudo cria condições para uma maior dinâmica empresarial ao ajustar tipologias de projetos às condições reais das micro e pequenas empresas do interior.


Veja aqui a Apresentação:

| Investimento nas Economias Locais para a Coesão Territorial e o Emprego

 

Fonte: MPI

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Programa de Apoio às Pessoas Mais Carenciadas lança Convite para apresentação de Candidaturas

Seg, 13/03/2017 - 15:02

13/03/2017

O PO APMC – Programa Operacional de Apoio às Pessoas Mais Carenciadas, lançou um convite para apresentação de candidaturas à Tipologia de Operação 1.1.1 – Aquisição de Géneros Alimentares e/ou Bens de Primeira Necessidade.

Este AVISO N.º POAPMC-F1-2017-02 para a apresentação de candidaturas, a decorrer entre o dia 13 de março e as 18:00 do dia 12 abril de 2017,  é destinado exclusivamente ao Instituto da Segurança Social, I.P. do Continente.

Consulte o AVISO publicado no website do PO APMC em Avisos Abertos ou no Balcão 2020 | Assistência Material às Pessoas Mais Carenciadas.

 

Fonte: AG PO APMC

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Páginas