Portugal 2020

Subscreva feed Portugal 2020
Notícias
Actualizado: há 1 hora 9 minutos atrás

A história do Capital Humano de Raquel Lemos e Nuno Santos

Seg, 16/10/2017 - 17:13

16/10/2017

O PO CH - ­ Programa Operacional Capital Humano divulga no seu portal e nas redes sociais Facebook, Linkedin, Twitter e canal Youtube duas novas histórias de pessoas que no Ensino Profissional e no seu doutoramento desafiaram o seu capital humano.

​A Raquel Lemos da Escola de Tecnologia e Gestão de Barcelos cresceu com a ideia que o ensino regular e a faculdade eram o caminho certo para o seu desenvolvimento pessoal, mas descobriu no ensino profissional uma via que a "prepara muito bem para o mundo do trabalho".

O Nuno Santos fez o seu doutoramento na área da procura e estudo de planetas extra solares e reuniu uma equipa em Portugal que já é "reconhecida a nível internacional".

A Minha História: União Europeia, Portugal e Capital Humano é um projeto de comunicação do PO CH que decorre da sua Estratégia de Comunicação.

Visa divulgar, na primeira pessoa, o impacto da sua participação num projeto cofinanciado pelo FSE - Fundo Social Europeu no domínio temático do Capital Humano que apoia, entre outras tipologias, Cursos Profissionais, Bolsas individuais de Doutoramento e Pós-Doutoramento, Cursos de Aprendizagem, Cursos Técnicos Superior Profissionais, Cursos de Educação e Formação de Adultos e Centros Qualifica.

Por esta via o PO CH associa-se igualmente às comemorações dos 60 anos do FSE que acontecem durante o ano 2017 e cujo mote é dar a conhecer como o referido fundo da União Europeia "investe nas pessoas".

Veja todos os vídeos no Portal e nas redes sociais do PO CH - Facebook, Linkedin, Twitter e canal Youtube.

 

Fonte: PO CH

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Concurso para Inovação no Desporto, Saúde e Bem-Estar

Seg, 16/10/2017 - 16:02

16/10/2017

Pelo segundo ano consecutivo a Inovação no Desporto, Saúde e Bem-Estar é tema de um Concurso de Ideias no Ribatejo, no âmbito do projeto “RIBATEJO EMPREENDE”, promovido pela NERSANT e cofinanciado pelo Programa Operacional COMPETE 2020.

Este Concurso, cuja apresentação de candidaturas decorre até às 23h59 do dia 27 de Outubro de 2017 atribui 9.000,00€ em prémios monetários para os três primeiros classificados e um conjunto de serviços cujo valor ultrapassa os 6.000,00€.

Podem concorrer todas as pessoas individuais residentes em Portugal, possuidoras de uma ideia de negócio numa das áreas temáticas indicadas no ponto 4.2 do REGULAMENTO e que pretendam transformá-la numa nova iniciativa empresarial, sedeando-a nas NUTs III da Lezíria do Tejo ou do Médio Tejo.

Está excluída a participação neste Concurso de Ideias de Negócio de pessoas coletivas já constituídas.

Saiba mais e concorra AQUI.

 

RIBATEJO EMPREENDE

O projeto “RIBATEJO EMPREENDE”, cofinanciado pelo COMPETE 2020, prevê a realização de 4 CONCURSOS DE IDEIAS DE NEGÓCIO com foco nas prioridades das RIS3 do Alentejo e do Centro, que tenham o objetivo de se transformar em novas iniciativas empresariais e serem sediadas no Ribatejo (NUTS III Lezíria do Tejo e Médio Tejo).

São objetivos destes CONCURSOS DE IDEIAS:

  • Estimular a geração e o aproveitamento de ideias inovadoras;
  • Premiar os melhores projetos;
  • Potenciar a criação de novas empresas no Ribatejo, sobretudo em setores de alta e média-alta tecnologia, uso intensivo de conhecimento e indústrias culturais e criativas.

O Concurso de Ideias “RIBATEJO EMPREENDE” é de âmbito nacional, pelo que não existirão quaisquer restrições à proveniência das candidaturas, desde que se proponham concretizar a iniciativa empresarial no território suprarreferido, composto pelas NUTs III da Lezíria do Tejo e Médio Tejo.

As candidaturas são exclusivamente apresentadas on-line no portal do Sitio do Empreendedor e o prazo para apresentação de candidaturas decorre até às 23h59 do dia 27 de Outubro de 2017.

As candidaturas consideram-se formalizadas através do preenchimento integral e submissão bem-sucedida do formulário eletrónico.

Podem ser apresentadas por uma única pessoa ou por uma equipa, sendo que neste caso os dados a incluir na candidatura deverão ser os do líder do projeto, devendo referir-se os restantes elementos da equipa no formulário de inscrição no ponto “Equipa”.

 

 

Fonte: Sítio do Emprendedor

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lançado Guia de Informação 'Indústria 4.0 Sistemas de Incentivos à Economia Digital'

Seg, 16/10/2017 - 13:10

16/10/2017

Foi lançada a 1ª edição do Guia de Informação Indústria 4.0 Sistemas de Incentivos à Economia Digital, pelo IAPMEI – Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas, com apoio do FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

O Ministério da Economia, pretendendo gerar as condições para o desenvolvimento da indústria e serviços nacionais na era digital, decidiu lançar a iniciativa Portugal i4.0 para identificar as necessidades do tecido industrial português e orientar medidas (públicas e privadas) com vista a atingir três objetivos centrais.

 

OBJETIVOS CENTRAIS

Acelerar a adoção das tecnologias e conceitos da Indústria 4.0 no tecido empresarial português;

• Promover empresas tecnológicas portuguesas a nível internacional;

• Tornar Portugal um polo atrativo para o investimento no contexto Indústria4.0.


O IAPMEI, como parceiro das PME no desenvolvimento e inovação, colocou-se mais uma vez ao lado das empresas neste novo desafio, gerando condições para o desenvolvimento da indústria e serviços nacionais no novo paradigma da Economia Digital.

O IAPMEI apoia as empresas nesta adaptação, nomeadamente através da disponibilização de um conjunto de sistemas de incentivos que têm como objetivo a modernização e inovação dos seus produtos, serviços e modelos de negócio, tornando-as mais competitivas no contexto da Indústria 4.0.

Os sistemas de incentivos disponíveis, distribuídos por três tipologias de ação e abaixo pormenorizados, visam facilitar aos potenciais promotores um acesso resumido à informação sobre as opções existentes no âmbito do apoio à promoção da economia digital.

 

Consulte aqui:

 

 

 

 

Fonte: IAPMEI/Compete2020 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Graças ao EURES, a estoniana Merit Kaal tem um novo emprego na Suécia

Seg, 16/10/2017 - 12:44

16/10/2017

Graças ao EURES - Programa da Comissão Europeia para a Mobilidade Profissional, Merit Kaal, da Estónia, alargou os seus horizontes ao aceitar um novo emprego na Suécia, e incentiva outros candidatos a emprego a também tentarem a sua sorte no estrangeiro.

Ao longo dos últimos seis meses, Merit tem trabalhado como consultora ambiental júnior e gestora de projeto numa empresa em Gotemburgo e, assegurado o posto de trabalho, procurou saber de que forma a EURES poderia ajudá-la.

Os conselheiros locais ajudaram-na a tratar de toda a documentação necessária a uma transição harmoniosa para um novo país.

«Para mim, foi fácil começar a trabalhar e a viver na Suécia,» refere a jovem de 24 anos, «pois há um ano fiz um intercâmbio na Universidade Técnica de Chalmers, em Gotemburgo. Depois disso, fiz a minha tese de mestrado na mesma empresa onde trabalho agora

Apesar desta familiaridade com o país, o caminho nem sempre esteve livre de obstáculos. «O principal desafio foi a língua e encontrar um lugar para viver», afirmou. «Uma vez que o trabalho de consultoria exige um contacto estreito com o cliente, é muito importante dominar a língua e ser capaz de trabalhar na língua local. Contudo, penso que, em comparação com outros países da Europa, os suecos falam muito bem inglês e, na maioria dos casos, estão dispostos a ajudar se eu não perceber alguma coisa

Merit está a gostar da experiência de iniciar uma vida num novo país. «Relativamente à área ambiental, existem vários projetos interessantes e muito para aprender e fazer», afirma. «Penso que é um dos melhores países da Europa para viver e dar uso aos meus conhecimentos. Além disso, gosto que a minha nova cidade de residência, Gotemburgo, se esteja a desenvolver tão depressa. As pessoas são muito simpáticas e as paisagens rurais são lindíssimas

O que diria a uma pessoa à procura de emprego no estrangeiro? Força! «Existe sempre a possibilidade de voltar atrás se algo correr mal ou não corresponder às expectativas, mas viver no estrangeiro, mesmo que por apenas seis meses, é uma experiência enriquecedora e permitir-lhe-á alargar verdadeiramente os seus horizontes

A coordenadora nacional EURES para a Estónia, Marta Traks, ajudou Merit durante o processo de transição.

«Trabalhar no estrangeiro não é uma escolha óbvia para todas as pessoas, mas pode ser uma experiência muito interessante, quer do ponto de vista pessoal, quer do ponto de vista profissional», afirma. «A decisão de ir para o estrangeiro permitir-lhe-á manter uma mente aberta. Fazer uma imersão num ambiente desconhecido requer versatilidade e determinação: pode não ser fácil no início mas é uma grande lição de vida

 

Ligações úteis:

Universidade Técnica de Chalmers em Gotemburgo

Programa O teu primeiro emprego EURES

Saiba mais:

Encontrar um Conselheiro EURES

Condições de vida e de trabalho nos países EURES

Base de Ofertas de Emprego EURES

Serviços da EURES para Empregadores

 

Fonte: EURES/CE

 

 

Fonte: PO SEUR

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PO SEUR lança concurso destinado à Carta Nacional de Perigosidade de Incêndio

Seg, 16/10/2017 - 12:03

16/10/2017

O PO SEUR – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos, lançou, dia 13 de outubro, o Aviso-Convite destinado à Carta Nacional de Perigosidade de Incêndio e Modelação de Apoio ao Planeamento e Gestão da Floresta e do Território - análise da suscetibilidade de incêndio florestal em Portugal Continental.

As candidaturas ao Aviso-Convite com o código POSEUR-10-2017-27 decorrem até às 18h do dia 11 de dezembro 2017.

A tipologia de operações passível de apresentação de candidaturas no âmbito do presente Aviso-Convite é a que se encontra prevista na subalínea ii) da alínea d) do número 2.1 do artigo 82.º do Regulamento Específico SEUR: Elaboração de estudos técnicos e cartografia com vista à caracterização de riscos naturais e tecnológicos.

No âmbito desta tipologia, apenas serão elegíveis operações destinadas ao desenvolvimento de novas metodologias de cálculo de perigosidade e risco de incêndio.

Abrange também a produção de cartografia que contemplem todas as dimensões de análise e âmbito territorial de aplicação estabelecidos no ponto 11.3 do Aviso e assegurem a concretização dos seguintes produtos finais:

  • Novo modelo metodológico de elaboração de cartas de perigosidade e de risco de incêndio, de cariz conjuntural e de cariz estrutural, para as escalas nacional e municipal.

  • Desenvolvimento dos modelos de produção da cartografia dinâmica de perigosidade e de risco para suporte da gestão preventiva da floresta (redes de defesa da floresta prioritárias) e das ações de vigilância e de pré posicionamento dos meios de combate ao nível nacional e municipal.

  • Desenvolvimento e validação da metodologia de produção de cartografia de perigosidade e risco de suporte ao planeamento e gestão territorial nos IGT.


Consulte este e outros Avisos de concurso do PO SEUR em Candidaturas|Avisos.

 

 

Fonte: PO SEUR

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Plano Juncker cria 300 postos de trabalho em Évora

Seg, 16/10/2017 - 11:44

16/10/2017

Após ter recebido o apoio do Plano de Investimento para a Europa, conhecido como Plano Juncker, no valor de 40 milhões de euros, a Mecachrome Aeronáutica inaugurou no dia 13 de outubro, em Évora, a sua nova fábrica para a produção de peças em titânio para motores de aeronaves.

Um projeto que permitirá criar 300 novos postos de trabalho em Portugal, com o objetivo de apoiar a modernização e expansão das capacidades de produção de componentes avançados para motores de aeronaves e aeroestruturas.

No quadro de um financiamento ao abrigo do FEIE - Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos, o BEI - Banco Europeu de Investimento concedeu ao grupo Mecachrome um empréstimo de 40 milhões de euros.

A empresa comprometeu-se a criar um programa de formação de trabalhadores de forma a disseminar o conhecimento desta nova tecnologia de ponta.

Carlos Moedas, Comissário europeu para a Investigação, Ciência e Inovação, afirmou que “Com este empréstimo de 40 milhões de euros, o Plano de Investimento para a Europa está mais uma vez a apoiar um projeto inovador em Portugal. Utilizando tecnologia de vanguarda, a nova fábrica ecológica de Évora criará 300 postos de trabalho permanentes em Portugal e será um dos principais fabricantes de peças em titânio para motores de aeronaves na Europa. Orgulho-me de que Portugal esteja a aproveitar ao máximo o Plano Juncker: dos 28 Estados-Membros, é agora o segundo país com o maior volume de investimento total mobilizado em relação ao PIB".

As novas instalações da Mecachrome também representam uma aposta na economia verde. As novas tecnologias permitem reduzir o consumo de papel e a produção de resíduos, facilitam os processos de reciclagem e reduzem as necessidades de transporte.

Além disso, esta produção permite a construção de aerogeradores mais eficientes, contribuindo para reduzir o peso dos aviões e, portanto, o consumo de combustível.

Graças ao Plano Juncker, os empreendedores portugueses têm acesso ao financiamento necessário, bem como a condições vantajosas no que diz respeito à duração do empréstimo e às taxas de juros.

O investimento na Inovação, na Investigação e no Desenvolvimento constitui um dos pilares do Plano de Investimento para a Europa.

Ligações úteis:

 

Fonte: Rep. CE em Portugal

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Participe nos workshops sobre 'Criar negócios em 5 passos'

Sex, 13/10/2017 - 15:45

13/10/2017

No âmbito do projeto Apreender 3.0, cofinanciado pelo COMPETE 2020 – Programa Operacional Competitividade e Internacionalização, a Fundação AEP vai realizar novas edições do workshop Crie o Seu negócio em 5 passos’.

Trata-se de um programa estruturado de promoção do empreendedorismo e do espírito empresarial, visando sensibilizar empreendedores para fatores essenciais e os passos relevantes a seguir para a constituição de empresas.

Nestes workshops serão abordadas as fases essenciais da estruturação das ideias, configuração de negócios e constituição de empresas.

Os futuros empreendedores poderão aqui consolidar informação, incrementar o seu espírito empresarial e encarar com maior possibilidade de sucesso a criação do seu próprio negócio.

Os participantes irão ser conduzidos por consultores experientes ao longo de todo o percurso, que vai desde a ideia, ao desenho e à planificação de um negócio.


| OBJETIVOS:

  • Promover o espírito empresarial e o empreendedorismo

  • Capacitar potenciais empreendedores para encetarem o seu projeto de negócio

  • Identificar as etapas a seguir para a constituição de uma empresa

  • Identificar os fatores críticos para uma ação empreendedora eficaz

  • Fornecer ferramentas de apoio ao processo de estruturação, da validação das ideias e da capacidade empreendedora

  • Fornecer ferramentas de apoio à estruturação dum plano de negócio

  • Informar os empreendedores sobre a apresentação das ideias e estruturação dos planos de negócios

  • Apresentar informação sistematizada sobre a aquisição de financiamento para os seus projetos

  • Elencar os passos e os trâmites a seguir para a criação e instalação da empresa

 

| DATAS e LOCAIS
 

PORTO – 25/26/27 de outubro | 2/3 de novembro

09h30 às 12h30 | 14h00 às 17h00

PROGRAMA / INSCRIÇÕES

 

SANTA MARIA DA FEIRA – 23/24/25/26/27 de outubro

09h30 às 12h30 | 14h00 às 17h00

PROGRAMA / INSCRIÇÕES

 

BARCELOS – 24/31 de outubro e 7/14/21 de novembro

09h30 às 12h30 | 14h00 às 17h00

PROGRAMA / INSCRIÇÕES

 

 

Fonte: Fundação AEP

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CE adota novas iniciativas para impulsionar Aprendizagens na Europa

Sex, 13/10/2017 - 12:17

13/10/2017

A Comissão Europeia (CE) adotou uma proposta de um quadro europeu para a qualidade e aprendizagens eficazes, no âmbito da Agenda de Novas Competências para a Europa, lançada em junho de 2016.

​Esta proposta assenta igualmente no Pilar Europeu de Direitos Sociais, que prevê um direito à educação e educação inclusiva e de qualidade, e a aprendizagem ao longo da vida para todos.

A Comissão identificou 14 critérios-chave que os países da União Europeia (UE) e as partes interessadas devem acolher para desenvolver aprendizagens eficazes e de qualidade.

O objetivo desta iniciativa é promover a empregabilidade e o desenvolvimento pessoal dos jovens, contribuindo para o aumento da qualificação dos profissionais, respondendo assim às necessidades das empresas e do mercado de trabalho.

Marianne Thyssen, Comissária para o Emprego, Assuntos Sociais, Competências e Mobilidade Laboral, afirmou que com esta proposta se pretende "garantir que os jovens têm formação em áreas que são importantes para o mercado de trabalho, porque dois em cada três começa a trabalhar após terminar os seus estudos".

A Comissão Europeia apoia a implementação destas medidas através do FSE - Fundo Social Europeu que já contribui com 27 mil milhões de euros para Educação e Formação.

Para mais informações consulte o portal da Comissão Europeia.

 

Fonte: PO CH

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Conheça as oportunidades de financiamento do Horizonte 2020

Sex, 13/10/2017 - 11:53

13/10/2017

Nos próximos dias 19 e 20 de outubro, no Porto e em Lisboa respetivamente, realizam-se sessões de informação sobre as oportunidades de financiamento do HORIZONTE 2020 – Programa para a Investigação e Inovação da União Europeia.

Participe gratuitamente numa das sessões de informação organizadas pela ANI _ Agência Nacional de Inovação, através do GPPQ - Gabinete de Promoção do Programa-Quadro, sobre as oportunidades de financiamento para empresas no Horizonte 2020.
 

A participação nestes eventos requer inscrição prévia através dos seguintes links:

 

19 DE OUTUBRO - PORTO

MANHÃ – Sessão de Informação sobre Oportunidade de Financiamento para Empresas no Horizonte 2020

TARDE – Workshop de Elaboração de Propostas ao SME Instrument

 

20 DE OUTUBRO - LISBOA

MANHÃ – Sessão de Informação sobre Oportunidade de Financiamento para Empresas no Horizonte 2020

TARDE – Workshop de Elaboração de Propostas ao SME Instrument

 

O HORIZONTE 2020 – Programa-Quadro Comunitário de Investigação & Inovação, com um orçamento global superior a 77 mil milhões de euros para o período 2014-2020, é o maior instrumento da Comunidade Europeia especificamente orientado para o apoio à investigação, através do cofinanciamento de projetos de investigação, inovação e demonstração.

O apoio financeiro é concedido na base de concursos em competição e mediante um processo independente de avaliação das propostas apresentadas.

 

Para mais informações contacte:

Cristina Gouveia | cristina.gouveia@gppq.pt | 93 501 78 30
João Mil-Homens | joao.mh@gppq.pt | 91 872 16 36
Marta Candeias | marta.candeias@gppq.pt | 93 200 38 41

 

 

Fonte: Gppq

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lista de Operações Aprovadas PT 2020 reportada a 31 de agosto de 2017

Sex, 13/10/2017 - 11:44

13/10/2017

No âmbito dos Programas Operacionais 2014-2020, financiados pelos fundos da Política de Coesão (FEDER, Fundo de Coesão e Fundo Social Europeu), encontram-se aprovadas, em 31 de agosto de 2017, 20 843 operações, que envolvem um montante total de investimento elegível de 15,6 mil M€ e uma comparticipação comunitária de 10,5 mil M€.

Grande parte do apoio aprovado (30%) destina-se ao reforço da competitividade das pequenas e médias empesas.

Para o investimento na educação, na formação e na formação profissional, para aquisição de competências e a aprendizagem ao longo da vida, contribui também uma parte significativa do apoio aprovado, ou seja, 22%.

De resto, é também de salientar os apoios ao reforço da investigação, do desenvolvimento tecnológico e da inovação (12%).

 

Consulte AQUI:

| LISTA DE OPERAÇÕES APROVADAS PT 2020

 

Fonte: ADC/UAME

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                                                                               

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

Portugal 2030: Participe no Futuro da Política de Coesão

Qui, 12/10/2017 - 10:16

12/10/2017

A reflexão estratégica sobre o futuro de Portugal no médio e longo prazo é um exercício da maior importância, que o Governo quer realizar de forma abrangente, envolvendo os mais variados atores económicos e sociais.

A intenção é que esta discussão se reflita nos grandes objetivos para o país, bem como na orientação das políticas públicas que para eles concorrem.

O debate tem também o propósito de preparar o próximo período de programação dos fundos da União Europeia, que deverá subordinar-se aos objetivos e opções que venham a ser definidos na estratégia para o país.

Nesta medida, está a ser realizado um conjunto de audições e consultas públicas para discutir a Estratégia Nacional para o Portugal Pós 2020.

É importante a opinião de todos. É importante a sua.

Submeta o seu contributo através do website Portugal 2030.

 

 

 

 

Fonte: Portugal 2030

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Guimarães distinguida no festival URBACT pela 'Proteção e Promoção da Biodiversidade'

Qua, 11/10/2017 - 15:51

11/10/2017

Guimarães recebeu uma distinção pelo seu projeto no âmbito da ‘Proteção e Promoção da Biodiversidade’, no Festival Internacional de Cidades URBACT.

Ao longo de três dias, de 3 a 5 de outubro, a capital da Estónia, Tallinn, recebeu o Festival URBACT que juntou mais de 230 cidades de 29 países de toda a Europa.

Na cerimónia de entrega de prémios que decorreu no Tallinn Creative Hub - Kultuurikatel, Guimarães recebeu a distinção pelo seu projeto no âmbito da Biodiversidade, e que contempla um conjunto de ações integradas desenvolvidos pelo Laboratório da Paisagem de Guimarães e pela Câmara Municipal de Guimarães.

Do plano estratégico premiado fazem parte o projeto "Biodiversity GO! - Criação de uma Base de Dados de Biodiversidade", o "Plano de Controlo de Espécies Invasoras", o projeto de plantação de árvores autóctones, "Guimarães mais Floresta", a criação de novas Rotas de Biodiversidade e ainda a construção de novos locais para observação de espécies, como o Centro Ornitológico na Montanha da Penha.

Guimarães deu a conhecer ainda, durante os três dias de Festival, a "Boa Prática" distinguida nas várias sessões de apresentação que tiveram lugar em Tallinn, aproveitando igualmente para mostrar o caminho que o concelho tem feito no âmbito do desenvolvimento sustentável do território e da candidatura de Guimarães a Capital Verde Europeia 2020, entregue na última semana.

O Programa URBACT permite às cidades trabalharem em conjunto para o desenvolvimento de soluções sustentáveis para os principais desafios urbanos, partilharem experiências, numa lógica de gestão urbana integrada, através do estabelecimento de redes de transferência de boas práticas e partilha de conhecimento.

O URBACT, criado em 2002, é financiado pelo FEDER - Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional e os seus parceiros, bem como os Estados Membros da União Europeia.

 

 

Fonte: URBACT/CM Guimaães/Metronews
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Projeto nacional TecBIS ganha segundo lugar na categoria 'Women Empowerment' dos Prémios RegioStars

Qua, 11/10/2017 - 14:52

11/10/2017

O projeto TecBIS - Aceleradora de Empresas do Instituto Pedro Nunes (IPN), de Coimbra, arrecadou ontem o segundo prémio RegioStars, na categoria “Women Empowerment and Active Participation”, galardão atribuído pela Comissão Europeia que distingue projetos inovadores e de boas práticas de desenvolvimento regional.

A entrega de prémios teve lugar ontem, ao princípio da noite, em Bruxelas, onde decorre até amanhã a edição 2017 da Semana Europeia das Regiões e das Cidades.

Na categoria em que o único projeto nacional a concurso acabou por ficar em segundo lugar, o vencedor é o projeto espanhol da região de Murcia, denominado “Coordination to Improve Gender - Based Violence Survivor’s Labour Market Integration and Social Inclusion”.

Durante a cerimónia, o projeto do país vizinho acabou por receber ainda o prémio “Escolha Pública”, por ter sido o que obteve mais votos por parte do público em geral.

A presidente da direção do IPN, Teresa Mendes, disse ser «muito importante para a cidade de Coimbra ter uma aceleradora de nível mundial, que ajuda a que a própria Universidade de Coimbra seja mais atractiva para os estudantes. Também na questão do desenvolvimento económico é crucial, quando a concorrência é tão grande».

«Muitas das empresas que saíram da incubadora continuavam a procurar os nossos serviços, para as apoiar na internacionalização ou na transferência de tecnologia específica para renovarem um produto», referiu Teresa Mendes, que esteve acompanhada, na cerimónia de ontem em Bruxelas, por Paulo Santos, director executivo do IPN – Instituto Pedro Nunes, e Ana Abrunhosa, presidente da CCDRC - Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro.

No âmbito da Semana Europeia das Regiões e das Cidades, a CCDRC participou no workshop com o tema “Cidades Resilientes e a Importância das Redes”, com Ana Abrunhosa a evidenciar vários exemplos de projetos que estão a ser desenvolvidos na região Centro, que têm como foco a valorização dos recursos endógenos e o reforço do trabalho em rede.

O TecBIS - Aceleradora de Empresas, arrancou em Maio de 2014, e foi financiado pelo Mais Centro - Programa Operacional Regional do Centro 2007-2013, tendo contado com um apoio do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) de sete milhões de euros, num investimento global de 8,2 milhões de euros.

Trata-se de uma infraestrutura de apoio empresarial, que actua a jusante da sua incubadora, visando dar resposta a necessidades específicas de empresas em estado de desenvolvimento mais avançado que ambicionam crescer de forma rápida e sustentada.

A Aceleradora de Empresas acolhe empresas de base tecnológica e inovadoras, de elevado potencial de crescimento, e a quem oferecem um conjunto de serviços técnicos, com recursos humanos altamente qualificados e com os objectivos de potenciar a respectiva capacidade de internacionalização e de aumentar a sua intensidade tecnológica.

 

 

 

Fonte: InfoRegio/Diário de Coimbra

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Evento Anual JESSICA 2017 balanço e perspetivas futuras para a reabilitação urbana

Qua, 11/10/2017 - 11:47

11/10/2017

O ‘Evento Anual JESSICA 2017 – Balanço e Perspetivas Futuras’ realiza-se no próximo dia 23 de Outubro de 2017, pelas 14h00, no Auditório da Fundação Eugénio de Almeida, em Évora (Largo do Conde Vila Flor, 7000-804 Évora), sendo o encerramento efetuado pelo Senhor Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques.

O JESSICA Holding Fund Portugal visa financiar projetos sustentáveis em áreas urbanas e, neste evento, será feito o balanço do Fundo JESSICA em Portugal, bem como apresentações de projetos apoiados, com testemunhos de promotores.

O JESSICA Holding Fund Portugal  trata-se da operacionalização da Iniciativa JESSICA em Portugal, através de um instrumento de engenharia financeira sob a forma de um fundo de participações dotado de 132.5 milhões de euros, 102.5 milhões de euros do FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional e 30 milhões de euros provenientes da Direção-Geral do Tesouro e Finanças.

Ainda que de forma não exclusiva, o fundo JESSICA tem quatro áreas de intervenção consideradas prioritárias:

1. Reabilitação e regeneração urbana incluindo regeneração de equipamentos e infraestruturas urbanas.

2. Eficiência energética e energias renováveis.

3. Revitalização da economia urbana, especialmente PME e empresas inovadoras.

4. Disseminação das tecnologias da informação e da comunicação em áreas urbanas, incluindo redes de banda larga e sem fios.


Consulte o PROGRAMA e INCREVA-SE em: alentejo2020@ccdr-a.gov.pt

 

 

Fonte: JHFP/Alentejo 2020

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anunciados hoje os vencedores dos prémios RegioStars

Ter, 10/10/2017 - 16:04

10/10/2017

A Comissão Europeia anuncia hoje os vencedores dos prémios RegioStars, um galardão que distingue projetos inovadores e de boas práticas de desenvolvimento regional, que tem como único finalista português o projeto TecBIS - Aceleradora de Empresas do Instituto Pedro Nunes.

A cerimónia realiza-se ao final da tarde de hoje em Bruxelas, onde decorre até quinta-feira a edição 2017 da Semana Europeia das Regiões e das Cidades.

Ao todo, são 24 os projetos finalistas, provenientes de 20 cidades e regiões de países como a Áustria, Bélgica, Bulgária, Croácia, Dinamarca, Estónia, Finlândia, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Letónia, Lituânia, Holanda, Polónia, Portugal, Eslovénia, Espanha, Suécia, Turquia e Reino Unido.

Os projetos finalistas estão distribuídos em cinco grandes categorias, estando o único projeto português a concurso na categoria "Especialização inteligente para a inovação das PME's".

O projeto TecBIS - Aceleradora de Empresas do Instituto Pedro Nunes (IPN), em Coimbra, arrancou em maio de 2014 e foi financiado pelo Mais Centro - Programa Operacional Regional do Centro 2007-2013, tendo contado com um apoio do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) de sete milhões de euros, num investimento global de 8,2 milhões de euros.

Trata-se de uma infraestrutura de apoio empresarial, que atua a jusante da sua incubadora, visando dar resposta a necessidades específicas de empresas em estado de desenvolvimento mais avançado, que já deram provas no mercado e ambicionam crescer de forma rápida e sustentada.

A Aceleradora de Empresas acolhe empresas de base tecnológica e inovadoras, de elevado potencial de crescimento, e a quem oferecem um conjunto de serviços técnicos, com recursos humanos altamente qualificados e com os objetivos de potenciar a respetiva capacidade de internacionalização e de aumentar a sua intensidade tecnológica.

A área disponível para empresas é de 4.500 metros quadrados, tendo atingido a ocupação plena em menos de três anos de atividade.

Atualmente, a aceleradora acolhe 23 empresas em áreas especialmente relacionadas com as tecnologias da informação e comunicação, empregando cerca de 600 colaboradores altamente qualificados.

Durante o dia de hoje será ainda entregue o prémio Escolha Pública ao projeto que obteve mais votos por parte do público em geral.

 

Fonte: EWRC2017/InfoRegio/Dinheiro Vivo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Inauguração do IB-S, instituto que coloca a Ciência ao serviço da Sustentabilidade

Ter, 10/10/2017 - 12:22

10/10/2017

O IB-S - Instituto de Ciência e Inovação para a Bio-Sustentabilidade da Universidade do Minho vai ser inaugurado amanhã, no campus de Gualtar, em cerimónia que junta o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, o secretário de Estado Adjunto e do Ambiente, José Mendes, e o reitor António Cunha.

A nova unidade de investigação da UMinho custou sete milhões de euros, sendo 5, 6 milhões com apoio do FEDER – Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, através do ON.2 - Programa Operacional do Norte do anterior QREN – Quadro de Referência Estratégico Nacional 2007-2013.

A sua valência de Braga acolhe laboratórios para ciências biológicas, biodiversidade, biotecnologia e ecologia, enquanto a valência de Guimarães centra-se nas ciências dos materiais, produção e gestão de energia, sensores, conservação e reabilitação do ambiente construído.

Os imóveis são energicamente eficientes e têm aspeto arrojado, respetivamente um cubo de arestas curvas desenhado por António Fontes e um bloco verde “perfurado” por nanotubos de carbono idealizado por Cláudio Vilarinho (na foto).

O IB-S quer colocar a ciência ao serviço de um modelo de vida sustentável e com maior qualidade nos ambientes construído e natural.

Vai também contribuir para criar spin-offs, promover formação pós-graduada e difundir conhecimento, em conjunto com empresas, autarquias, associações, particulares e unidades científico-tecnológicas.

O IB-S da UMinho é uma parceria entre o Centro de Biologia Molecular e Ambiental e o Instituto para a Sustentabilidade e Inovação em Estruturas de Engenharia.

 

 

Fonte: Correio do Minho/ON.2

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Alentejo rumo à Economia Circular na Semana Europeia das Regiões e Cidades

Ter, 10/10/2017 - 11:45

10/10/2017

A CCDRA – Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo está presente na 15ª edição da Semana Europeia das Regiões e Cidades, que decorre entre os dias 9 e 12 de outubro de 2017, em Bruxelas, uma iniciativa promovida pelo Comité Europeu das Regiões e pela Direção-Geral de Política Regional e Urbana da Comissão Europeia.

A este evento, a CCDRA leva o tema da Economia Circular. Na Região Alentejo, estão já em curso diversas iniciativas e projetos relacionados, com destaque para o Fórum da Economia Circular do Alentejo.

Coordenado e dinamizado pela CCDRA, este fórum envolve um conjunto alargado de parceiros regionais e nacionais para refletir, discutir e delinear os pilares em que irá assentar a estratégia regional de dinamização da economia circular, a curto, médio prazo e longo prazo.

No Alentejo existem apoios para as empresas que pretendem apostar nesta área, através dos Programas Operacionais COMPETE 2020 e Alentejo 2020, tendo já sido aprovados nesta área, 14 projetos, com um investimento associado de 14 milhões de euros.

 

A ECONOMIA CIRCULAR

Economia Circular é um conceito estratégico que assenta na redução, reutilização, recuperação e reciclagem de materiais e energia. Substituindo o conceito de fim-de-vida da economia linear, por novos fluxos circulares de reutilização, restauração e  renovação, num processo integrado, a economia circular é vista como um elemento chave para promover a dissociação entre o crescimento económico e o aumento no consumo de recursos.

Inspirando-se nos mecanismos dos ecossistemas naturais, que gerem os recursos a longo prazo num processo contínuo de reabsorção e reciclagem, a Economia Circular promove um modelo económico reorganizado, através da coordenação dos sistemas de produção e consumo em circuitos fechados. 

Caracteriza-se como um processo dinâmico que exige compatibilidade técnica e económica (capacidades e atividades produtivas) mas que também requer igualmente enquadramento social e institucional (incentivos e valores).

A Economia Circular ultrapassa o âmbito e foco estrito das ações de gestão de resíduos e de reciclagem, visando uma ação mais ampla, desde do redesenho de processos, produtos e novos modelos de negócio até à otimização da utilização de recursos (“circulando” o mais eficientemente possível produtos, componentes e materiais nos ciclos técnicos e/ou biológicos). 

Visa assim o desenvolvimento de novos produtos e serviços, economicamente viáveis e ecologicamente eficientes, radicados em ciclos idealmente perpétuos de reconversão a montante e a jusante.

Materializa-se na minimização da extração de recursos, maximização da reutilização, aumento da eficiência e desenvolvimento de novos modelos de negócios. 

 

Fonte: Alentejo 2020

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PO CH divulga histórias de pessoas apoiadas pelo FSE

Ter, 10/10/2017 - 11:10

10/10/2017

Um conjunto de VÍDEOS que conta a história de cerca de 40 pessoas apoiadas pelo FSE – Fundo Social Europeu, e as mudanças decorrentes na sua vida, está ser divulgado no portal do PO CH – Programa Operacional Capital Humano e nas redes sociais Facebook, Linkedin, Twiter e canal Youtube.

A Minha História: União Europeia, Portugal e Capital Humano é um projeto de comunicação do PO CH que decorre da sua Estratégia de Comunicação e que visa divulgar na primeira pessoa o impacto de ter participado num projeto cofinanciado pelo FSE.

Por esta via, o PO CH associa-se igualmente à comemoração dos 60 anos do FSE que acontecem durante o 2017 e cujo mote é dar a conhecer como este fundo europeu “investe nas pessoas”.

Durante 16 semanas serão divulgadas 36 histórias que nos permitem  acompanhar de perto as oportunidades que existem em Portugal no domínio da formação e da qualificação dos jovens e adultos.

Cada episódio, de cerca de dois minutos, dá-nos uma perceção do contributo dos apoios do FSE para a qualificação dessas pessoas e, por essa via, para melhoria das suas condições de inserção social e profissional.

Estes episódios constituem exemplos da boa aplicação dos fundos da União Europeia, na superação do défice de qualificações que ainda caracteriza o país, contribuindo por essa via para promover o reforço da competitividade das empresas e das regiões que têm beneficiado desses apoios, bem como a sua coesão social e territorial.

Recorda-se que PO CH apoia, entre outras tipologias, Cursos Profissionais, Bolsas individuais de Doutoramento e Pós-Doutoramento, Cursos de Aprendizagem, Cursos Técnicos Superior Profissionais, Cursos de Educação e Formação de Adultos e Centros Qualifica.

A série estará disponível no Portal e nas redes sociais do PO CH - Facebook, Linkedin, Twiter e canal Youtube – estando desde já disponíveis para visualização as cinco primeiras histórias:
 

| Margarida Maia e João Saloio
| Sofia Mensurado
| Joana Batista
| Jorge Trepeças
| Ana Jesus, João Ferreira e José Tracana

 

Fonte: PO CH

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lançado o 7º Relatório de Coesão sobre Fundos UE após 2020

Seg, 09/10/2017 - 16:27

09/10/2017

A Comissão Europeia (CE) lançou hoje, dia 9 de outubro, o 7º Relatório de Coesão Económica, Social e Territorial (para já apenas a versão inglesa) cujo tema de destaque é o debate sobre os Fundos da União Europeia (UE) após 2020.

O novo Relatório faz o diagnóstico das regiões e cidades da UE, extrai lições das despesas de coesão durante os anos de crise e prepara o cenário para a política de coesão após 2020.

Analisando o estado atual da coesão económica, social e territorial da UE, o Relatório de Coesão abrange todos os nossos territórios: a economia europeia está em recuperação, mas as disparidades persistem entre e dentro dos Estados membros.

O investimento público na UE ainda está abaixo dos níveis anteriores à crise, enquanto as regiões e os Estados-Membros precisam de investir mais para responder aos desafios identificados no documento de reflexão sobre o futuro das finanças da UE.

Esses desafios contemplam a revolução digital, a globalização, as mudanças demográficas e a coesão social, a convergência econômica e as mudanças climáticas.

O Relatório sugere uma política a nível da UE que atenda a três objetivos principais: aproveitar a globalização, não deixar ninguém para trás e apoiar reformas estruturais.

A versão síntese estará disponível em todos os idiomas ainda esta semana. Já a versão integral do relatório estará disponível, pelo menos, até ao final do ano.

Saiba tudo na página do InfoRegio dedicada ao 7º Relatório da Coesão Económica Social e Territorial, onde pode consultar a versão integral e a síntese, bem como dados financeiros, gráficos e mapas interativos.

 

Fonte: InfoRegio/CE

 

 

 

 

Fonte: PE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Conferência de alto nível sobre Energias Limpas no Parlamento Europeu

Seg, 09/10/2017 - 12:42

09/10/2017

Para abordar o financiamento das Energias Limpas para todos os europeus, o Parlamento Europeu e a Comissão Europeia coorganizam uma Conferência de alto níveldia 7 de novembro entre as 9h30 e as 18h30 CET, em Bruxelas.

Entre os temas da conferência, que terá lugar no Parlamento Europeu, encontram-se o papel do financiamento da UE na transição energética, o investimento em projetos de grande dimensão no domínio da energia, incluindo infraestruturas de transporte transfronteiriço e na infraestrutura de produção de eletricidade a partir de energias renováveis.

Este grande evento vai reunir líderes políticos, profissionais do setor da energia, investidores e outras partes interessadas para analisar o Pacote de Energias limpas e debater domínios de investimento da transição energética.

O setor da energia é fundamental para a economia europeia mas representa também dois terços das emissões de gases com efeito de estufa, tendo por isso um papel fundamental na implementação do Acordo de Paris.

Para que a UE possa atingir os objetivos em termos da redução do seu impacto no ambiente, estima-se que seja necessário um investimento anual a rondar os 379 mil milhões de euros sobretudo nos domínios da eficiência energética, energias renováveis e infraestrutura entre 2020 e 2030.

Participe na conferência de alto nível subordinada ao financiamento da transição energética para o emprego, o crescimento e o investimento, em Bruxelas a 7 de novembro.

 

Ligações Úteis:

| INSCRIÇÕES

| PROGRAMA

| União da Energia

 

Fonte: PE

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Páginas